LIPE DYLONG

Ano de 1970, Rio de Janeiro. Lipe Dylong parte o nose da prancha e, sem dinheiro para comprar uma nova, resolve descascar e reutilizar o que restou da sua, produzindo assim a primeira das milhares de pranchas que viria a fazer nas décadas seguintes.

Shaipando 1975

Revelando desde o início grande aptidão para o shape, as suas pranchas apresentavam níveis de qualidade que permitiram a rápida popularização do seu nome no crescente mercado do surf brasileiro dos anos 70.

Após sair do serviço militar obrigatório, em 1975 Lipe resolveu que era altura de conhecer o Hawaii, surfar as melhores ondas do mundo e aprimorar as suas técnicas de shape e fabricação de pranchas.

Imbuído do espírito aventureiro da época, fez duas pranchas e partiu sozinho, de autocarro, do Rio de Janeiro para a Califórnia.

Pelo caminho, explorou e surfou toda a costa da América do Sul e Central até a Califórnia, demorando quase um ano até, finalmente, desembarcar nas ilhas havaianas.

Chegado à Meca do surf, rapidamente passou a frequentar as salas de shape e fábricas locais, começando a trabalhar como ajudante de lixador na Country Surfboards, que na altura produzia para os melhores shapers e para as mais prestigiadas marcas do mundo.

Lipe competindo no Pipeline Master. Hawaii 1978.

Nas instalações da Country, o jovem Lipe travou amizade e a sabedoria de lendas como Mike Diffenderfer, Dick Brewer, Owl Chapman, Tiger Espere, Barry Kanaiaupuni e muitos outros, lapidando o seu talento com os melhores mestres.

Lipe com Larry Bertleman. Uma lenda do surf Havaiana, pioneiro junto ao Mark Richard no laçamento das duas quilhas. Australia 1978.

Tendo como inspiração os Top Shapers Dick Brewer e Tom Parish, em pouco tempo começou a shapar pranchas da Country e de outras marcas que usavam as instalações da fábrica, produzindo pranchas para team riders e lojas espalhadas por todo o território dos EUA e Japão.

Em 1978, com o patrocínio da Coca-Cola, começou a competir no recém-formado circuito mundial de surf da International Professional Surfers, a futura WSL.

Nesse mesmo ano, Lipe seria um dos 32 convidados a participar no prestigiado e exclusivo campeonato Pipeline Masters.

No final dos anos 70, Lipe fundou no Rio de Janeiro a famosa marca Energia, que rapidamente se tornou líder de mercado, graças à difusão de modelos inovadores, como as Twin-Fins e as Thrusters, dos quais foi pioneira, antecipando também o lançamento da moda surfwear no Brasil.

Shaipando no Japão para a prestigiada marca, Breaker Out.
Trocando impressões e conhecimentos com o campeão mundial Shaun Tomson.

Seja como shaper, surfista ou competidor, Lipe Dylong participou de todo o processo de evolução do surf nos últimos 40 anos.

Da Shortboard Revolution à transição das Single-Fins para as Twin-Fins, da propagação das Thrusters ao renascimento do Longboard e dos modelos retro.

Mas a maior realização de uma vida dedicada ao surf são as amizades que criou pelo mundo e a satisfação de milhares de clientes felizes com suas pranchas.

Entrevista com Ian Cairns (fundador do Circuito Mundial IPS) para Wide World of Sports da ABC Television. Sunset Beach, Hawaii.

Neste momento, Lipe tem em Portugal a sua base de trabalho, aproveitando as condições geográficas únicas do país para o lançamento europeu da Country Surfboards.

Com o Havaiano Michael Ho (Pai do Mason e Coco Ho) e o Top Australiano Jim Banks, pesquisando novos designs.

No cinquentenário da marca, Lipe regressa às origens a fazer aquilo que mais sabe e gosta: pranchas de alta qualidade para surfistas exigentes, e com o mesmo espírito de Aloha que sempre o acompanhou nas suas jornadas pelo mundo das ondas.

Vem espreitar os nossos modelos, fazer sugestões e deixar as tuas opiniões. Estamos sempre prontos a receber nossos amigos e clientes com toda a atenção.

Country Surfboards Europe